≡ Menu

A Semana do Presidente

Lembro de quando era pequeno e assistia TV no domingo. Acho que era no fim dia, junto do Programa Silvio Santos. Não lembro de muitos detalhes, mas tenho certeza de que era no SBT e se não me engano, tinha narração do Lombardi, a eterna voz. O programa era curtinho, resumia o que o Presidente havia feito na semana. O único Presidente que lembro de ter isto era o Figueiredo.

Independente deste programa ter sido uma imposição da ditadura militar em troca da concessão do canal, ou algo parecido com isso, acho que a idéia é bastante válida para implementar no campo pessoal. O pessoal que perde tempo pesquisa organização e otimização do tempo, como técnicas GTD e coisas do tipo, costumam ter algo como “revisão semanal”. Acredito que um tempo dedicado a reflexão do que aconteceu na semana, não apenas as tarefas realizadas, mas as pessoas com quem se conversou e as lições aprendidas, é algo que pode trazer grande conhecimento de si mesmo e acelerar o crescimento pessoal.

Meu texto de retrospectiva dos últimos 15 meses teve bastante repercussão, recebi diversos emails fazendo comentários complementares ou tentando a ajudar a resolver uma ou outra questão comentada. Algumas pessoas escreveram simplesmente para agradecer, por se verem refletidas em algumas das situações descritas. Vou fazer a experiência de algo mais formal, não sei se será toda semana ou se uma revisão mensal já seria o suficiente, mas começa hoje, de maneira oficial:

A Semana do Presidente

Esta semana participei da apresentação de um novo plano de consórcios da Rodobens, logo na segunda-feira. Lançaram um plano para compra de veículos usados, basicamente um consórcio como outro qualquer, já que todo consórcio de veículos, motos ou caminhões pode ser usado para compra de qualquer veículo, novo ou usado. O título na verdade se refere à faixa de valores, entre R$ 12.000 a R$ 24.000, uma faixa ainda não coberta pela Rodobens, que possuía consórcios de menor valor com os consórcios de moto e de maior valor com os de veículos em duas faixas distintas, a partir de 24.000 para o carro mais barato. Então, querendo um consórcio de veículos entre R$ 6.000 a R$ 300.000, pode contar comigo. Lembrando que consórcios de veículos são a melhor maneira de automatizar e otimizar a questão de renovação da frota, seja de apenas um veículo de uso particular, seja de uma empresa com dezenas de veículos rodando diariamente.

Tive algumas frustrações profissionais neste mesmo dia, nada que valha a pena comentar em detalhes, apenas o de sempre, pessoas fazendo patetices sem sentido, criando regras rígidas onde a flexibilidade seria muito mais adequada para elas. Nada que não se resolva rapidamente, mas me impressiona como podem andar para frente tais pessoas. É um passo para frente, dois para trás.

Na terça-feira tenho uma longa página em branco na agenda e na quarta-feira, apesar de ter vários rabiscos, simplesmente não trabalhei. Passei ambos os dias divagando sobre questões existenciais, seja em casa, seja vendo alguns seriados que ainda não tinha posto em dia (a saber, assisto The Mentalist, The Big Bang Theory, Hawaii 5.0, The Game of Thrones e House).

Teria uma reunião importante com uma grande administradora de consórcios (que não é a Rodobens), mas o pessoal que ficou de me ligar para confirmar o horário simplesmente não ligou. Não sei se não vieram a Porto Alegre (falaria com o diretor geral e acionista principal da empresa) ou se arranjaram compromissos mais importantes do que eu. Semana que vem descubro isso.

Também passei um bom tempo pesquisando sobre mochilas, mais especificamente as Goruck, da qual a que mais se adapta ao meu perfil é a Goruck Radio (fica a dica para quem quiser me dar um presente qualquer hora destas). É uma mochila cara, mas feita de cordura 1000D que dura a vida toda e fabricada nos Estados Unidos, com mão de obra americana, coisa que eles explicam exaustivamente no site. A empresa foi fundada por um ex-fuzileiro naval, buscando criar produtos que aguentem qualquer parada. Também a garantia deles é para toda vida, ou seja, se rasgar, raspar, falhar um zíper (YKK made in USA), ou qualquer coisa deste tipo, é só mandar para eles que consertam sem cobrar nada.

Ontem, quinta-feira, o dia foi de grandes questões pessoais. Refleti sobre a mudança para São Paulo, no próximo dia 22, sobre as reformas necessárias no apartamento que compramos no início do ano e onde estamos vivendo desde então e sobre diversas questões mais subjetivas como viagens e a importância que viver novas experiências tem na minha vida.

Quinta-feira também foi um longo dia de trabalho, respondendo diversos emails. A maioria das pessoas não sabe exatamente como eu trabalho, como faço as vendas de novos consórcios para os investidores e interessados em imóveis que atendo ou o que pode ser meu dia a dia. Para ter uma idéia, somente ontem eu respondi emails relativamente longos e bem detalhados para 14 novas pessoas. Estas são pessoas que antes disso, nunca tinham entrado em contato comigo, ou seja, novos amigos que fiz nesta semana. Na segunda-feira, tinha oito novos contatos deste tipo, então foi uma semana relativamente tranquila, onde conheci apenas 22 novas pessoas até agora (vai aumentar, pois já dei uma bisbilhotada nos emails que ainda tenho na caixa de entrada).

Para dar uma idéia mais efetiva, desde o início do ano já conheci e respondi 381 pessoas novas, com as quais ainda não tinha falado pessoalmente ou por email. Conhecer estas novas pessoas é uma das coisas mais legais do meu trabalho. Aprendo muito com a vivência diferenciada de cada um. Além destas, respondi dezenas de pessoas com quem já tinha uma linha de contato prévia. Meus dias profissionais são, basicamente, respondendo emails com dúvidas de possíveis clientes, de investidores que desejam iniciar seus projetos, de pessoas que sonham com a casa própria e precisam de ajuda para encontrar a melhor maneira de realizar isto e de empreendedores que veem minhas realizações pessoais e profissionais e desejam se espelhar em mim para alcançar seu sucesso pessoal. Agradeço todos os dias por poder conhecer e ajudar tanta gente interessante, mas agradeço mais ainda por poder aprender com tanta gente interessante.

***

Então era isso, o formato me lembra um pouco alguns capítulos dos livros do Donald Trump, onde ele descreve uma semana de trabalho dele. No segundo livro em que usou esta técnica, comentou que obteve bastante resposta aos capítulos em que fiz isso pela primeira vez. Nos próximos, penso em ser um pouco mais específico em alguns pontos, com detalhes de tarefas e os resultados esperados. Algumas coisas tem que ficar guardadas enquanto não são lançadas ao mundo, então infelizmente não poderei falar de todos os detalhes de negócios que estão acontecendo, mas vou tentar relatar o máximo possível.

Agora começa um novo dia, para os curiosos de plantão, normalmente como granola com leite e alguma fruta no café da manhã. Caminho 5Km, tomo um banho e começa meu dia profissional. A parte da caminhada vinha sendo deixada para trás nos últimos tempos, mas hoje retomo isto também. Sexta-feira é um dia especial, almoço com os amigos da época da faculdade. Com a mudança para São Paulo, vamos ver se consigo manter isso com os desgarrados que já foram antes de mim.

{ 0 comments }

Retrospectiva dos últimos 15 meses

Este é um daqueles textos que costumo escrever para mim mesmo, sem intenção de publicar. É algo como “meu querido diário”, uma conversa minha comigo mesmo, para reflexão e para quem sabe, lembrar de como eram as coisas alguns ou muitos anos atrás. Só que o ano passado foi um ano de muitas realizações e de muitos desafios pessoais, com coisas boas e ruins acontecendo quase todas as semanas. Anos assim são bons, pois saímos da rotina, e saindo da rotina, aprendemos. Enviei este texto em diversas versões, algumas mais acabadas, outras menos, para alguns amigos mais próximos. Todos falaram o mesmo: publica, que mais pessoas podem aproveitar ou aprender alguma coisa com estas experiências. Então aqui está, um breve relato do que aconteceu na minha vida nos últimos 15 meses, com comentários sobre os fatos e algumas coisas que já destilei de aprendizado. Espero que a leitura seja útil para você, como foi para mim o fato de ter escrito isso.

***

O ano de 2011 foi bastante intenso para mim. Há anos sonhava em morar no Silicon Valley, na California.. Sonhava viver onde toda a história da tecnologia acontece. Finalmente, depois de anos de espera e prorrogações sem fim, estava decidido a viver esta aventura. Iria morar lá durante seis meses, sem grandes planos prévios. Era viajar e viver um dia após o outro, com todas as descobertas e desafios que isso me traria. Iria com minha esposa, que não via a aventura com a mesma expectativa que eu, mas que sabia o quanto isso era importante para mim e meu desenvolvimento pessoal. No final, aconteceu tudo diferente e ela se divertiu bastante, mas chego nestes detalhes em breve.

***

Esse negócio de morar no Silicon Valley era como a história do Jeep que comprei (dois, um azul e um prata). Sempre havia sonhado em ter um Jeep antigo, até que um dia comprei. Foram duas felicidades, a de comprar e a de vender poucos meses depois. Não nasci para isso, mas descobri da minha maneira, na prática. Com a Harley-Davidson foi diferente, experimentei e gostei muito, tive duas Harleys. Vendi porque cada coisa tem seu momento para acontecer, e no caso das motos, o momento foi e não é mais agora. Certamente voltarei a ter uma Harley no futuro não muito distante.

***

Bom, falei que 2011 foi um ano intenso. A viagem para os Estados Unidos estava marcada para março. No meio de fevereiro, no entanto, um convite completamente inesperado chega no meu email. Um amigo, investidor da minha empresa de consórcios imobiliários que morava no Japão, pergunta se não gostaria de ir visitá-lo na Terra do Sol Nascente para explicar o investimento em consórcios e desenhar um plano de aposentadoria para dekasseguis que moram e trabalham lá com o objetivo de voltar ao Brasil com condições de viver uma vida digna com o patrimônio que conseguem construir com o que ganham lá. Naturalmente disse que adoraria conhecer o Japão e conhecer todos pessoalmente. Falei da minha viagem para os Estados Unidos e disse que estando lá, seria até mesmo mais fácil, pois estaria mais próximo do Japão. Perguntei quando ele gostaria que eu fosse e a resposta me pegou de surpresa: se possível, antes de ir aos Estados Unidos.

Mandei um email para outro amigo, agente de viagens, perguntando sobre os custos e possibilidades de passagem para o Japão nas datas estimadas. Ele não apenas me mandou os valores, mas fez um pouco mais, fez as reservas. Se realmente quisesse viajar, bastava avisar que ele confirmaria as passagens. Mais alguns emails e telefonemas e estava tudo certo, eu e minha esposa embarcaríamos para o Japão em menos de uma semana, para ficar por lá durante vinte dias. Prorrogamos as passagens para os Estados Unidos para duas semanas depois da nossa volta e uns dias depois iniciamos nossa jornada para o outro lado do planeta.

Viagem maravilhosa, pessoas incríveis, histórias de vida que me tocaram e me fizeram conhecer uma nova realidade. Agradeço muito por poder ter tido as experiências que tive enquanto estive por lá. Escrevi sobre a experiência em textos anteriores a este.

Saímos do Japão poucas horas antes do tsunami e terremotos que atingiram a ilha. Estávamos voando quando a tragédia estava acontecendo. Muita sorte. Se a tragédia acontecesse poucas horas antes, não teríamos conseguido partir.

***

Ao voltar do Japão e preparar a ida para os Estados Unidos, problemas. Minha sogra teve algo em um dos olhos que ficou “cego”. Como isso era acompanhado de enxaquecas, a preocupação com algo mais sério no cérebro foi algo que cogitamos. Exames e mais exames não identificavam o problema e com isto acontecendo, naturalmente prorrogamos a viagem uma segunda vez. E ainda uma terceira vez, até descobrirmos o que havia com ela.

Algumas semanas depois, com direito a internação hospitalar para observação e toda a preocupação que isso implica, finalmente descobriram o que havia de errado e como tratar o problema. Com a situação sob controle, voltamos ao plano da viagem. Partimos dia 27 de maio.

***

Morávamos em um apartamento enorme em um bairro maravilhoso da cidade. Compramos bem, pagamos barato. Na época era um passo muito maior que a perna e a justificativa maior para a compra foi para ajudar a tapar um pouco o buraco emocional enorme causado pela perda do meu cunhado para um câncer, com apenas 29 anos de idade. O impacto disto para minha esposa e minha sogra não pode ser descrito com palavras. Alguma coisa boa precisava acontecer naquele ano, naquele mês, e este passo enorme na compra de um apartamento maravilhoso, mas que não sabíamos como pagar foi o que fiz, sem pensar muito nas consequências futuras. Isso aconteceu em 2008.

Passo dado, felizmente as coisas deram certo, os negócios prosperaram e tudo acabou bem. Ou quase. O apartamento era bastante antigo e nunca havia sido reformado. Sistematicamente cada pedaço do apartamento começou a entrar em colapso, culminando com os encanamentos que nos levaram, nas semanas que antecediam a mudança para o Silicon Valley, a fechar os registros e ficar sem água quente nos banheiros principais. Tivemos que reativar o banheiro da área de serviço, que havia se transformado em uma pequena despensa, comprando um chuveiro elétrico e adaptando uma espécie de cortina no local onde ficava a porta, que havia sido retirada anos antes, logo que nos mudamos para lá.

Havíamos colocado o apartamento a venda muito tempo antes, quando ainda pensávamos que poderia não ser possível bancar o custo do mesmo. Além disso, como compramos bem, havia a possibilidade de ter um bom lucro com ele, nos permitindo dar outros passos mais adiante. Dois anos se passaram e muitas ofertas vieram, mas gostávamos de lá, e com as coisas dando certo nos negócios e o pagamento do apartamento não sendo mais problema, uma venda só seria feita se tivéssemos um bom lucro no negócio. Com os problemas que começaram a acontecer, já estávamos propensos a aceitar ofertas menores do que estávamos pedindo, para não precisar passar pelas reformas que teriam que ser feitas se fôssemos continuar lá. Ofertas vieram e vendas deixavam de ser concluídas por detalhes irrelevantes. Era como se não fosse para vender o apartamento naquele momento e naquelas condições.

Fechamos tudo e fomos para os Estados Unidos. Como uma das negociações havia sido praticamente concluída, com a compradora desistindo na última hora, já havíamos até mesmo nos desfeito de alguns móveis maiores e encaixotado todos nossos objetos pessoais. Nossos pais ficaram com as chaves para qualquer emergência enquanto estivéssemos fora e algumas imobiliárias continuariam marcando visitas na nossa ausência.

***

Os três meses nos Estados Unidos foram fantásticos. Completamente diferentes do que havíamos “não planejado”. A idéia original era alugar um apartamento pequeno e ter uma base no Silicon Valley para viver o dia a dia da região. No final das contas acabamos morando em hotéis o tempo todo, tendo mais flexibilidade, viajando mais e conhecendo mais locais do que o previamente imaginado. Até o Hawaii, nunca pensado antes de sairmos do Brasil, ganhou nove dias de nossa presença.

Foram três meses no total, intercalando meu trabalho no Brasil com os consórcios e investimentos imobiliários executado através da internet, passeios nos momentos em que o fuso horário não permitia o trabalho no Brasil, e viagens por outras cidades e estados, incluindo Reno, Lake Tahoe, Grand Canyon, Las Vegas, San Diego, Los Angeles, Santa Barbara, San Simeon e o Hearst Castle, Carmel e Monterey, Santa Cruz, Half Moon Bay e o Ritz-Carlton, Berkeley, Emeryville e a sede da Pixar, voltando ao coração do Silicon Valley com Sunnyvale, Mountain View, Palo Alto, Santa Clara e San Jose, não esquecendo, claro, de San Francisco, onde assistimos não apenas a ópera O Anel do Nibelungo, de Richard Wagner, mas também a famosa Parada Gay, para finalmente embarcar rumo ao Hawaii e então voltar para o Brasil. Um período sabático relativamente curto, mas bastante bem aproveitado. Tendo curiosidade sobre a viagem, publicamos os detalhes em um blog exclusivo para isso em http://viagemperuzzo.blogspot.com.br/

***

O Hawaii é simplesmente fantástico. Eu, que não sou dos maiores fãs de praia, simplesmente amei tudo por lá. Foi o único lugar em que realmente tirei férias de verdade, daquelas de não fazer nada, cercado pela beleza mais deslumbrante que poderia haver e com a civilização e todos os seus confortos sempre a disposição. Os mesmos shopping centers e lojas encontrados em todo lugar nos Estados Unidos estão presentes também no Hawaii.

O povo local é absolutamente amável, adorando sua cultura e sua história. Andando na rua, mais de uma vez fomos abordados por locais que perguntavam se estávamos gostando da ilha, se já tínhamos visto isso ou aquilo, dando orientações de como chegar nos melhores locais. E da mesma forma que nos abordavam para conversar, se despediam e seguiam seu rumo, sem tentar nos vender coisa alguma, simplesmente felizes de poder indicar algo interessante para conhecermos.

Os turistas no Hawaii são em sua absoluta maioria japoneses. A viagem do Japão para o Hawaii é de 7 horas. Da Califórnia para lá é de 5 horas, então em termos de distância, não é essa a explicação para tal invasão nipônica. O fato é que tudo lá possui indicação em japonês junto com as orientações em inglês. Em alguns locais há somente indicações em japonês. Dos hábitos curiosos dos turistas japoneses o mais “diferente” dos nossos é o fato de irem para praia completamente cobertos, com mangas compridas, calças compridas, muitas vezes blusas com capuz cobrindo a cabeça e sempre com toalhas ou algo protegendo a pele não coberta por roupas do sol.

Pensando em um lugar onde o clima é sempre bom, o povo amável, há diversas opções de lazer e a beleza natural é indescritível, não conheço lugar melhor que o Hawaii para uma temporada espetacular.

***

Certas coisas não deveriam acontecer, mas infelizmente acontecem, e nos pegam completamente desprevenidos, nos deixando sem ação. Aquela frase de que um raio não cai duas vezes no mesmo lugar, MENTIRA! Ainda estávamos nos Estados Unidos quando veio a notícia: minha prima, com pouco mais de 40 anos, teve detectado um câncer. Faleceu em 62 dias, logo após termos voltado. Já ter passado por isto uma vez não nos prepara para repetir a dose. Tudo é revisto quando nos damos conta de como é frágil a linha que nos mantém aqui. Falei sobre isso em um vídeo que publiquei logo após o acontecido.

***

Voltamos ao Brasil dia 31 de agosto. Assinamos a venda do apartamento dia primeiro de setembro pelo valor que estávamos pedindo originalmente, sem choro, sem descontos. O lucro com este negócio foi o rendimento do valor que havíamos pago pelo imóvel, mais o fato de termos morado “de graça” ao longo dos três anos em que ficamos lá. O comprador também fez um excelente negócio, por isso não pechinchou. Comprou um apartamento gigantesco na melhor região da cidade por um valor ínfimo perto do que estava sendo pedido por apartamentos semelhantes. Só viríamos a descobrir isso depois de ter assinado a venda…

Vendemos, mas não tínhamos onde morar. Hora de procurar um novo apartamento. E aí é que estava o problema, os preços, nos meses em que estivemos fora, simplesmente dispararam de maneira fora do comum. Não havia mais imóveis na faixa de valores que tínhamos a disposição. Todos que procuramos e olhamos eram absurdamente piores do que o nosso antigo apartamento. E todos muito mais caros! Um início de depressão começou a se instalar em nós. Tínhamos prazo para entregar o apartamento e uma pequena esperança de encontrar algum lugar para morar antes da próxima viagem já marcada, para Cancun e Miami como prêmio da Rodobens pela performance em vendas durante o ano.

Perdidos entre procurar apartamentos para comprar ou alugar, acabamos não achando nem um nem outro. Na última hora conseguimos uma solução paliativa, com amigos/parentes que recém haviam comprado um apartamento novo e não iriam se mudar imediatamente, nos disponibilizando o mesmo em um aluguel direto, sem contratos longos, por apenas dois meses que imaginávamos ser suficientes para conseguir finalmente achar um apartamento adequado para comprar. Oferecemos o dobro do que custaria o aluguel lá, mais ou menos o que custaria para alugar um apartamento muito maior, com o dobro do espaço, mas a conveniência de não ter um contrato de longa duração valia a pena o custo maior.

Se arrependimento matasse… E falo isso sobre a venda do apartamento enorme e do aluguel caro e por pouco tempo do apartamentinho novo. Em ambos casos desobedeci minhas próprias regras, de não me desfazer de patrimônio já conquistado e de não pagar mais do que valem as coisas (no caso do aluguel).

***

Sair de 162 metros quadrados para apenas 49 é complicado. Mais complicado é mudar para um apartamento que ainda não havia sido completamente entregue. Não havia pia na cozinha, então tínhamos o tanque para lavar a louça. Não havia espaço para nossos móveis, muito grandes para o novo espaço. Conseguimos a garagem de um amigo para deixar sofás, armários e outros móveis grandes. Tínhamos todas nossas caixas ocupando o quarto maior do apartamento, sem espaço para circular no mesmo. No quarto menor coube nossa cama de casal, sobrando 20 cm de cada lado. Não havia espaço para fechar a porta, pois a cama trancava o curso da mesma.

Não tínhamos fogão. O gás neste prédio novo vem direto do gasoduto, uma novidade em Porto Alegre. O fogão precisava de uma adaptação para funcionar com a menor pressão do gás natural que vem desta forma. A Sulgas, empresa responsável pela comercialização, faz esta adaptação sem custos, mas apenas com dia e hora marcados previamente. Somente em um dia da semana, marcado na semana anterior. Com a viagem para Cancun e Miami no meio deste período, se fizéssemos a adaptação, seria para apenas duas semanas, tendo que desfazer depois, com custo, quando desocupássemos o apartamento. Aprendemos a cozinhar com uma panela/grill elétrico, a usar mais o forno de microondas e a comer fora com maior regularidade.

Algumas semanas depois o pessoal que iria entregar os móveis da cozinha, área de serviço e banheiro foram lá instalar tudo. Retiraram o tanque original que estava nos servindo de pia para instalar o armário onde ficaria um tanque de alumínio. Retiraram a pia do banheiro e instalaram o armário lá. Neste momento não tínhamos mais tanque, nem pia da cozinha, que nunca havíamos tido, nem pia no banheiro. Sem o tampo de pedra dos móveis, adaptei a pia solta que haviam deixado no banheiro com a torneira que havia sobrado da pia antiga que haviam levado embora.. Então nossa vida agora dependia de uma pia bamba no banheiro para escovar os dentes, e também para lavar a louça.

Quando chegou a vez de entregar o tampo de pedra das pias e do tanque, mais um problema. O local onde ficava a máquina de lavar teria uma bancada de pedra no lugar da máquina. Os proprietários pretendiam comprar uma máquina de lavar com porta frontal e a nossa era com abertura superior. No final das contas um cano que deveria ficar abaixo de onde seria instalada a bancada estava acima da mesma, tendo que quebrar a parede e refazer a posição. Isso ficou para depois da nossa saída, então ainda tínhamos a máquina de lavar roupas funcionando.

A situação estava complicada. Não dá para esquecer que junto de toda esta bagunça nas rotinas do dia a dia, também estávamos sem acesso decente à internet. Não havia como contratar a internet que queríamos no bairro onde estávamos e a que não queríamos, mas que resolveria a situação paliativamente, tinha um contrato de dois anos que não fazia sentido assinarmos.

Complicava ainda o fato de não estarmos encontrando um apartamento para comprar com o valor que havíamos recebido pela venda do nosso. Sei que tudo que sobe, uma hora desce, ou ao menos deixa de subir e o dinheiro investido alcança o valor mais cedo ou mais tarde, mas a situação estava emocionalmente complicada. E com emoção, não há razão que resolva.

Foi um período complicado. Mesmo.

***

Mais um ano como representante categoria Diamante na Rodobens e mais uma vez, uma viagem internacional para a convenção anual de premiação. Em 2010 havia sido Paris, 2011 era Cancun e Miami. Viajar no meio da bagunça que estava nossa vida pessoal não foi o melhor momento, mas lá fomos nós mesmo assim. Seria interessante conhecer um lugar que todos falavam bem e no fundo queríamos ver se encontrávamos uma alternativa de praia tão boa, mas mais próxima do que o Hawaii.

Cancun tem águas lindas e quentes, mas não conseguimos conhecer direito as coisas por lá. Em parte, tínhamos a programação da Rodobens a nos tomar algum tempo, afinal era um misto de prêmio com trabalho, mas o maior problema foi o clima não ter ajudado. Mudanças climáticas enormes fizeram um furacão passar por lá justamente no dia que teríamos livre, com direito a quartos alagados e tudo mais. Ficamos presos no hotel, com o exército na praia impedindo a circulação. No dia seguinte, tudo tranquilo, como se não houvesse havido nada, mas aí eu estava com uma dor de cabeça insuportável e fiquei dormindo no quarto do hotel. Dia perdido. De noite fomos ao restaurante Pericos, um restaurante com show local onde o próprio lugar é todo decorado com as famosas caveiras mexicanas, muitas cores e muita diversão. Temos que voltar, mas com mais tempo e com clima melhor.

Miami continua sendo Miami, um pedaço da América Latina encravado nos Estados Unidos. Pegamos dois dias de chuva, um deles inteiro dentro de um shopping center. Bom para a maioria dos representantes da Rodobens que estavam conosco nesta etapa da viagem, mas para nós, que vamos seguido para os USA e de onde havíamos acabado de voltar havia poucos meses antes, foi uma enorme perda de tempo. Valeu a pena a ida para Miami por ter conseguido achar e comprar o aparelho APAP que precisava para tratar minha apnéia do sono.

***

Depois de visitar inúmeros apartamentos e descartar muitos mais diretamente pelas descrições das imobiliárias, finalmente colocamos os olhos no apartamento dos nossos sonhos pelo valor correto. Trocamos o espaço físico que tínhamos no apartamento antigo por uma estrutura de condomínio (piscinas, salão de festas, sala de ginástica, bosque, quadra de tênis, etc.). Permanecemos no mesmo bairro, a duas quadras de onde morávamos. Trocamos um segundo andar com vista para a rua e posição solar mediana por um oitavo andar com a melhor posição solar possível e uma vista simplesmente deslumbrante da cidade. A disposição das peças é ótima, perfeita para nossas necessidades. Simplesmente encontramos o apartamento que nos servirá tranquilamente pelos próximos anos, incluindo aí os filhos que pretendemos ter e todo o espaço para eles e crescerem com segurança e tranquilidade.

O parágrafo anterior foi escrito no final de 2011, logo após a compra do apartamento, ainda animados com o achado. Escrevo este parágrafo em abril de 2012, instalados aqui desde 28 de dezembro de 2011, mas ainda “acampando”, sem ter feito a reforma que gostaríamos, por ainda estar decidindo detalhes da futura decoração. As coisas estão bem complicadas ainda, emocionalmente falando. Parece que ainda não nos encontramos em relação às coisas. Estamos numa espécie de limbo emocional desde a venda do apartamento antigo. Espero que a reforma resolva esta questão.

***

Foram muitos os sinais que recebemos indicando a necessidade de venda do apartamento em que estávamos. Apesar de grande, não estávamos completos ou tranquilos lá. Era ótimo, mas parecia não ser o local certo para nós. Com a venda e então a busca por alternativas, e a sequência de frustrações em encontrar algo que nos atendesse por valores factíveis, veio o medo de que tivéssemos feito o melhor negócio financeiro de nossas vidas, mas ao mesmo tempo, o pior negócio possível para o futuro da nossa família. A leve depressão que estava começando logo depois da venda do apartamento e a onda de imóveis fora das nossas possibilidades, potencializada com a mudança para a situação de “acampamento” do apartamento provisório que conseguimos estava começando a tornar a vida bastante insuportável.

Agora, com as coisas se normalizando, com o novo apartamento já comprado, faltando apenas alguns dias para nossa mudança para o novo lar e a tranquilidade voltando às nossas vidas, fico até um pouco envergonhado de escrever isso, porque penso: como posso entrar em depressão com alguma reserva de dinheiro no banco, os negócios e empresas andando bem, saúde em ordem e uma vida inteira pela frente? A questão é que nossa mente é algo que não sei explicar, e o fato é que a depressão, que neste momento já me parece completamente ridícula, há poucos dias atrás parecia o fim do mundo e o início de uma vida de privações sem fim, onde iríamos cada vez mais para o fim do poço.

Não sou ingênuo nem alienado, sei dos problemas do mundo, sei das dificuldades imensas que a absoluta maioria da população passa. Sei que gente passa fome, vive nas ruas. A idéia de ficar deprimido por “não ter onde morar”, podendo alugar qualquer imóvel com um estalar de dedos, agora me parece ridícula. Ainda assim, é exatamente desta maneira que estava me sentindo, deprimido, como se o mundo fosse acabar para minha família se a situação perdurasse por mais tempo.

Como li ainda hoje no twitter: “minha filha, pobre não tem direito a depressão, para poder ter direito a ficar deprimida tu tens que ganhar muito mais.”

No final das contas, esta situação toda serviu como um toque de humildade e empatia com algumas pessoas que me escrevem. Estando fora da situação que elas estão vivendo, muitas vezes penso: “como é que podem estar deprimidas, não vêem que não há motivos para isso, que as coisas podem estar um pouco piores do que estavam, mas em breve se resolverão. E que se não voltarem a ser tão boas como eram, ainda assim são completamente aceitáveis, sem dramas, afinal, têm um teto sobre suas cabeças, um emprego que paga as contas e um futuro inteiro pela frente”. E no final, vivendo algo do tipo, lá estava eu, deprimido com uma situação muitas e muitas vezes melhor do que a que eu mesmo vivia há poucos anos atrás.

Que esta experiência me deixe isso de lição: “não julgar nunca como os outros podem estar se sentindo, o que parece patético para nós pode ser bastante sério para quem está no meio do furacão, hoje eu sei disso, senti na minha própria pele.”

E que me deixe ainda a outra lição importante: nada é definitivo, tudo se resolve, mais cedo ou mais tarde, de uma forma ou de outra. Pode não voltar imediatamente ao mesmo patamar onde estávamos, mas as vezes, é preciso dar um passo para trás para então poder dar dois para frente.

Há quatro anos atrás eu tinha cinco vezes menos patrimônio do que tenho hoje, e a vida estava fantástica, cheia de possibilidades. Meu EU daquela época deve estar rolando de rir de mim agora. E deve estar me xingando muito, porque vou te contar, olha para a situação, coloca as coisas no papel, compara com alguns anos atrás. Um tombinho por um negócio aparentemente errado não pode tirar uma pessoa do prumo como me tirou nestas últimas semanas. E pior, com a compra do novo apartamento, não houve nem tombo nem tombinho, pelo contrário, houve uma evolução na vida, nas possibilidades e nas felicidades que estão por vir. Desculpa Fabrício de hoje, mas o Fabrício de quatro anos atrás com certeza está rindo de ti até agora. Isto é patético.

***

Como escrevi no início, não tinha a intenção de publicar este texto, mas foi bom escrever tudo isso. Me ajudou a colocar as coisas novamente em perspectiva. Então publico para servir como exemplo de que viver é estar constantemente passando por experiências novas. E quando estas experiências parecem não ser as melhores, que este texto ajude a vislumbrar que dias melhores virão. Nunca acaba enquanto não termina. E só termina quando dizemos que terminou.

Sou feliz, e os momentos difíceis servem para testar a força que não sabemos ter até precisar contar com a energia que possuímos lá dentro de cada um de nós. Vencemos mais uma batalha. Na próxima, estaremos mais sábios e mais preparados.

Este foi meu ano de 2011. Como foi o seu?

***

Continuo a escrever em abril de 2012. Os três primeiros anos foram bagunçados emocionalmente, as coisas ainda não estão bem resolvidas e a reforma que precisamos fazer no apartamento não está acontecendo ainda. Indecisões, indecisões. É o problema de ter muitas possibilidades, todas igualmente boas. A dor da escolha…

***

Já nos negócios, os dois últimos meses foram os melhores que já tive em toda a história da Megacombo e de qualquer outra empresa que já possuí. Vendi três vezes mais do que minha média mensal, durante dois meses seguidos, com tendência a continuar assim ou até melhorar. Em paralelo a isso, tenho um projeto de negócio que pode alçar a vida a vôos ainda mais altos, muito mais altos. As coisas estão realmente muito boas na vida profissional. Deve ser aquela coisa de equilíbrio, de depois da tempestade vir a bonança…

***

No próximo dia 22 mudamos para São Paulo. O apartamento em Porto Alegre permanece conosco, claro. Não cometeremos a mesma burrice de vender antes de termos outro, ou melhor, não nos desfazemos mais de patrimônio, só acrescentamos, sem tirar. Mas voltando para o assunto São Paulo… Nos mudaremos para testar algumas possibilidades comerciais. Tenho o projeto de negócio que citei antes, tenho os negócios com investimentos imobiliários e com investimento em consórcio que são minha especialidade, enfim, faremos um período sabático de pelo menos três meses, sem prazo definido para concluir, para ver como as coisas se comportam.

Em outras vidas devemos ter sido ciganos, porque vai gostar de mudanças assim sei lá onde… Como digo, cada mudança, cada nova experiência em que nos colocamos, mais temos a aprender. Mesmo as experiências ruins, talvez até mais estas, tem muito a nos ensinar.

***

Era isso. Se você leu até aqui, parabéns pela paciência. Espero que este texto possa ter ajudado em algo. Obrigado pela atenção.

{ 1 comment }

Como sou bonzinho…

Hoje recebi um email perguntando porque eu ajudava as pessoas sem receber nada em troca. Minha vontade era de responder que ajudo porque sou bonzinho, mas não seria a resposta mais completa para a questão. Então resolvi escrever um pouco mais sobre esse assunto.

Não lembro onde li ou quem me falou a seguinte frase:

“Se os malandros soubessem como é mais lucrativo ser honesto, seriam honestos nem que fosse por simples malandragem.”

Tem outra frase que gosto muito, também sem fonte ou referência, desta vez por preguiça de procurar:

“Ajude as pessoas a resolver os problemas que possuem e você nunca terá problemas em ganhar dinheiro.”

O email que recebi perguntando porque ajudava as pessoas sem receber nada em troca tratava especificamente do investimento em imóveis através dos consórcios, minha especialidade e assunto sobre o qual escrevi uma quantidade imensa de textos. Sobre este assunto, a resposta poderia ser simples: “recebo comissão quando vendo cartas novas de consórcio, o restante do meu serviço é feito gratuitamente para fidelizar os clientes”. Só que a resposta real não é simples assim, pois quando comecei, lá em 2003, com o primeiro texto que escrevi explicando como estava investindo meu dinheiro através dos consórcios imobiliários, não possuía a Megacombo nem ganhava um tostão pelas indicações que eventualmente fazia para quem vendia as cartas de consórcio.

Escrevi o texto original explicando este investimento simplesmente para me ajudar a entender melhor como eu próprio estava investindo e, mais que isso, para que o processo de escrita me ajudasse a pensar em maneiras de otimizar este investimento e localizar eventuais pontos fracos. Divulgar o texto no site que mantinha para meus estudos sobre investimento ajudaria outras pessoas, isto era um bônus. Já tinha o texto pronto para meu próprio uso, ajudar outras pessoas com tal texto não me custava nada, e na minha opinião sincera, geraria boas vibrações.

Quantas vezes já havia lido textos que me ajudaram a crescer sem precisar quebrar a cara por conta própria para aprender determinadas lições? Muitas. Era bom estar agora do outro lado da equação, um texto que eu havia escrito iria ajudar outras pessoas a investir de maneira melhor, mais lucrativa e mais segura. Então, se na época não ganhava nada financeiramente ajudando as pessoas a conhecer esta nova maneira de investir que havia descoberto, ganhava o bem estar de saber que um texto meu, algo que eu mesmo havia produzido, estava ajudando outras pessoas. Desculpa se sou redundante nesta questão, mas o benefício é tão óbvio, e ao mesmo tempo tão obscuro para quem nunca se sentiu recompensado por algo que fez sem buscar recompensa, que faço questão de deixar claro: “não há coisa melhor do que o sentimento de valor próprio, e não há forma mais simples de obter este sentimento de valor próprio do que ajudando outras pessoas”. Então, de certa forma, podemos dizer que todo ato de ajudar os outros com desprendimento pessoal, é na verdade, um pequeno ato de busca de reconhecimento. Mesmo quando ajudamos de forma anônima isto é verdadeiro, porque o sentimento de valor pessoal somente pode ser sentido por nós mesmos, de dentro para fora, ou seja, não importa os outros saberem ou não o que fizemos: nós sabemos.

O mais engraçado de tudo isso é como a vida dá voltas, e algo que fazemos sem nenhuma segunda intenção, com a simples vontade de aprender algo (no meu caso naquela época, a compreender melhor os assuntos que estudava e a aprender a escrever textos melhores), pode voltar para nós de maneiras completamente inesperadas. No meu caso, a explicação de como estava investindo voltou para mim na forma de inúmeras pessoas querendo fazer o mesmo e me perguntando se os podia ajudar. Além disso, fiz vários novos amigos interessados nos assuntos que discutia no artigo, no caso, investimentos em geral e investimento em imóveis de maneira mais específica.

Deste início inusitado para hoje, foram quase dez anos em que saí de um aprendiz para um mestre no assunto, ajudando centenas de pessoas a lucrar e realizar seus sonhos. A cada novo amigo que ajudava, mais realizado me sentia. E assim, ajudando e recebendo de volta as boas vibrações de cada uma destas pessoas maravilhosas, acabei montando minha própria empresa para representar a administradora de consórcios que me atendia e continua me atendendo, a Rodobens. Vendi minha parte na empresa de internet que possuía e acabei me dedicando em tempo integral a ajudar as pessoas a investir utilizando os consórcios imobiliários como alavanca. Fiz isso justamente na época em que havia atingido a independência financeira, quando teoricamente poderia deixar de trabalhar, mas sou inquieto demais para ficar de papo pro ar, sempre busco algo útil e prático para fazer. Ajudar as pessoas, sentir o prazer da auto-realização e ainda receber para fazer isso, estava completa a fórmula da felicidade.

Então faço o que faço porque sou bonzinho com os outros. E sendo bonzinho com o mundo, o mundo simplesmente retorna sendo bonzinho comigo. Esta é a fórmula do sucesso e da felicidade que encontrei para minha vida. Se precisar de ajuda para encontrar a fórmula que funcione para você, vai ser um prazer conversar a respeito.

{ 7 comments }

Quanto custa uma furadeira?

Drill

Recentemente mudamos de um apartamento de 162 m² para outro de apenas 49 m². A mudança é temporária, apenas enquanto não compramos um novo apartamento, menor do que o que tínhamos, mas maior do que estamos neste momento. O importante é que a adaptação ao novo espaço é real, e vindo do espaço que tínhamos antes, um pouco complicada. Pelo menos durante os dois meses previstos morando neste pequeno apartamento, uma série de coisas que tinhamos como certas deixaram de existir. Como iremos ficar aqui apenas neste período de transição, não temos acesso à maioria das nossas coisas, tudo está encaixotado e empilhado em um dos quartos (o maior), enquanto nossa cama ocupa o quarto menor. A sala está mais ou menos arrumada, apesar das caixas empilhadas em um canto, mas devidamente disfarçadas com uma cortina que as cobrem.

Apesar de alguns probleminhas de adaptação principalmente devido à pressa com que fizemos a mudança, a situação não está tão ruim assim. A falta de uma pia na cozinha incomoda um pouco, mas nos viramos bem lavando a louça no tanque, que só é usado para isso, já que temos a máquina de lavar roupa já instalada. Uma vantagem de não ter pia na cozinha é justamente não deixarmos louça suja acumulando. Estamos muito mais ágeis no ato de usar copos, pratos e talheres e lavar tudo logo a seguir. Só para explicar, estamos sem pia na cozinha porque pegamos este apartamento na urgência, sem dar tempo do proprietário preparar tudo adequadamente. O marceneiro está fazendo o balcão e tudo ficará ótimo, mas quando isso acontecer já não estaremos aqui. Também estamos sem fogão. O novo prédio é mais moderno, usa gás natural encanado, então é necessário adaptar o fogão para o novo sistema. A companhia de gás faz isso sem custos, mas as visitas são marcadas apenas para as sextas-feiras, e estaremos viajando nas próximas três sextas-feiras. Resultado, só conseguiremos fazer a conversão três semanas antes de sairmos daqui, quando então teremos que desfazer tudo, desta vez com algum custo.

Com mais um dormitório e alguns móveis adaptados ao nosso estilo de vida provavelmente viveríamos com conforto, mesmo em um espaço relativamente pequeno. Devido ao fato de tanto eu quanto minha esposa trabalharmos em casa, precisamos de um pouco mais de espaço do que a média das famílias. Precisamos ao menos de um quarto extra para um escritório compartilhado entre nós. E foi então que me veio o estalo, talvez comparando com as residências norte-americanas que vimos durante toda nossa viagem aos USA alguns meses atrás e com as dezenas de garage sales que presenciamos nestes rápidos três meses que passamos por lá. As casas lá eram imensas. E as garagens, quando as víamos abertas, entulhadas até o teto.

Uma furadeira custa muito caro! Um serrote, mais caro ainda. Caixas de ferramentas idem. Não, não é que estes objetos em sí custem muito caro, mas sim o fato de possuir os mesmos. Ter uma furadeira que usaremos, sei lá, vinte vezes ao longo de uma vida, implica em ter espaço para guardá-la durante toda essa vida. Claro que é caro chamar um técnico toda vez que desejamos prender algo na parede, mas certamente é muito mais barato que precisar comprar um apartamento maior apenas para guardar as tralhas que usaremos muito pouco para justificar sua propriedade. Só que o cálculo que fazemos é simplório, pensamos em quanto custa uma furadeira simplesmente olhando o preço dela na loja. E aí, claro que é muito mais barata do que o custo de chamar alguém para fazer uma instalação simples em nossa casa. Objetos como esse são produzidos em massa, custam quase nada hoje em dia. Pessoas e seu tempo para nos atender por outro lado, custam caro. E então, pensando desta maneira, vamos até a loja e compramos a furadeira. E agora, precisamos de um apartamento maior para ter lugar para guarda-la.

Faça um levantamento rápido de tudo que você tem em casa que não foi usado nos últimos seis meses. Pode apostar que muitas coisas estarão nesta lista, inclusive sua furadeira. Meu exercício nos próximos meses será o de simplificação. Pode ser que isso seja reflexo de eu estar lendo muitos textos sobre minimalismo ultimamente, ou pode ser devido ao fato de ter morado três meses em quartos de hotéis enquanto viajávamos pelos USA, mas a questão é que a quantidade de coisas que carrego ao longo da vida tem, cada dia mais, me incomodado bastante. Ainda há muitas pequenas coisas que possuem valor sentimental, e destas não pretendo me desfazer, mas das que são apenas tralhas, coisas que guardo pensando que “um dia posso precisar”, destas pretendo ir aos poucos me desfazendo.

Ênfase nas pessoas, não nas coisas. Mais experiências de vida, menos tralhas para carregar. Pode ser só a crise dos 40 chegando mais cedo, conto mais a medida em que as coisas se desenvolverem.

{ 9 comments }

Temos todos que usar óculos

A internet nos trouxe muita coisa boa. Devo a ela todos os meus negócios dos últimos anos, foi com ela que comecei ao abrir minha primeira empresa de acesso discado à rede e é com ela que explico o investimento em imóveis e em consórcios e ajudo cada vez mais pessoas a investir junto aos meus empreendimentos.

Outra coisa interessante que a internet proporcionou, é o acesso fácil a uma vitrine fantástica. Hoje, qualquer pessoa pode ter sua própria editora jornalística, sua estação de rádio, sua emissora de TV. Claro que não a versão anterior que estamos acostumados, mas a versão online de cada uma dessas formas de mídia. Só que ao mesmo tempo em que isso é fantástico, pois permite a quem antes não teria voz poder se manifestar, também gera certos problemas enquanto nos adaptamos às mudanças que estas facilidades implicam.

Pessoas sem qualquer conhecimento distribuem suas opiniões livremente com toda a facilidade. Antigamente não teriam acesso à palavra. Se por um lado isso é bom no caso das informações corretas, no caso das erradas é uma tragédia.

Quem lê, em sua maioria, ainda está em um período de transição. Muitas pessoas não sabem das facilidades de publicação na internet. Assumem que quem escreve, independente de sua formação ou conhecimento prático, tem valor e conhecimento real. Tomam meras opiniões baseadas em achismos, como verdade absoluta, afinal, está lá, escrito, na internet.

Ao ler, ouvir, ver, devemos sempre nos lembrar de perguntar aquelas questões básicas: quem é o autor? O que ele sabe realmente sobre o assunto que está tratando? Tem experiência prática, teórica ou nenhuma das duas?

Antes de aceitar qualquer opinião como verdadeira, temos que pôr nossos óculos de internet e ativar o cérebro. Esquecendo disto, corremos o sério risco de comprar gato por lebre.

{ 2 comments }

Hoje eu decido viver bem

Hoje eu decido viver bem, link para o vídeo no YouTube.

Ontem entramos na primavera. Foi um dia cinza aqui em Porto Alegre. Perdi uma prima, 40 anos, vítima de um câncer descoberto há dois meses. Ainda não me caiu direito a ficha, foi tudo muito rápido, estava viajando quando foi dado o diagnóstico.

Não tinha contato frequente com esta prima. A última vez que nos vimos fazia quase um ano, no aniversário do nosso tio. O laço de sangue familiar e uma infância e adolescência cheias de histórias juntos nos mantinha ligados, com aquele carinho que não acaba mesmo ficando muito tempo sem nos ver.

Há três anos minha esposa perdeu o irmão, 29 anos, recém formado em educação física, também para um câncer descoberto poucos meses antes.

Entre uma perda e outra, um amigo liga para dar a triste notícia do falecimento do filho, atropelado por um ônibus.

O que há em comum nestas três histórias tristes é que vemos quebrado o ciclo natural da vida. O que temos como normal é nascer, crescer, envelhecer e morrer. A quebra desta ordem natural das coisas nos deixa sem chão, não faz sentido.

Não faz sentido, mas pode acontecer a qualquer momento. E então nos damos conta de como é tênue nossa permanência no planeta. Dependemos das nossas escolhas, mas também de infinitos fatores sobre os quais não temos nenhum controle.

Por tudo isso, hoje eu decido viver bem. Decido ser feliz, de dentro para fora. Se alguém mal humorado me destratar na rua, é com ele que o mau humor está. Se me cortarem no trânsito, lamentarei que tenham pressa e não tenham saído mais cedo, mas não ficarei irritado. As más atitudes dos outros não devem afetar o meu humor. Depende apenas de mim escolher como passarei o dia.

Não temos controle sobre tudo, mas sobre o que temos controle, só depende de nós decidir. Então hoje, amanhã e nos próximos dias, eu decido viver bem. E quando eventualmente acordar mal, chateado ou com algum problema, vou me lembrar destas palavras e ficarei bem. Pois pelo menos isso eu sei que posso controlar em minha vida.

Há um senso de urgência, um reloginho fazendo tique-taque, que não sabemos quando irá parar. Depende somente de nós o equilíbrio das peças que temos para viver o melhor que pudermos.

Hoje eu decido viver bem. E lhe desejo um ótimo dia e um futuro cheio de paz e tranquilidade.

Obrigado.

{ 4 comments }

Evite gritar no megafone

Quando você tem uma mensagem para transmitir, você pode fazer isso berrando para que todo mundo possa ouvir, ou pode fazer isso de maneira mais discreta, explicando em voz baixa para um pequeno grupo de pessoas. A diferença de ambas as formas de comunicação não é o volume, mas a efetividade.

Se você está na rua gritando para quem quiser ouvir, muitas pessoas passarão se perguntando “quem é este esquisito?”, sem realmente parar para ouvir sua mensagem. Se você tem um produto para vender, gritar na rua pode ser o equivalente a colocar um anúncio no rádio ou no jornal, está lá para quem quiser ver, mas na prática, muito pouca gente irá prestar atenção na sua mensagem.

Mas a propaganda não é a alma do negócio? É, só que em um mundo em que a maior parte das coisas se tornou commodity, ganha o cliente quem se diferencia, quem oferece mais do que os outros. Não basta você ser um vendedor, você tem que ser um especialista no que vende para que as pessoas o conheçam e prefiram comprar o que quer que seja com você, e não com um qualquer.

E como se diferenciar? Oferecendo algo de valor antes de sair gritando aos quatro ventos. Formando uma legião de seguidores, de interessados na sua mensagem ou no que você tem a oferecer. Destes, muitos não se interessarão por seu produto ou serviço, mas a maioria estará prestando atenção no que você estiver falando. E é aí que reside a grande diferença, na atenção das pessoas com quem você fala. No momento em que prestam atenção à sua mensagem, mesmo que esta mensagem não as interesse no momento, pode interessar mais adiante. Ou essas pessoas podem conhecer alguém que você pode ajudar com seu produto ou serviço e lhe indicarão para amigos e conhecidos.

Dois exemplos práticos, um pessoal e um que dei como sugestão para um amigo fotógrafo.

Primeiro o exemplo pessoal. Meu negócio, o que faço com minha empresa Megacombo, é vender consórcios, principalmente os consórcios de imóveis. Apesar de poder vender qualquer tipo de consórcio e eventualmente vender uma carta de veículo, caminhão ou serviço, meu foco e minha especialização é o consórcio imobiliário, e como super-especialização, o uso destes consórcios como investimento. O que faço para me diferenciar de todos os outros vendedores de consórcio é justamente mostrar que sou melhor do que a absoluta maioria. Mostro que sei mais, que entendo melhor as necessidades das pessoas, que conheço profundamente os detalhes relevantes e que com minha orientação terão a melhor solução para seu caso específico. Meu objetivo principal não é fechar a venda imediatamente, mas sim, fechar a melhor venda possível, não no sentido do maior valor, mas sim, na melhor solução do que o cliente precisa. O que ganho com isso? Um amigo, alguém que me indicará para seus conhecidos, um cliente para toda a vida.

Como faço isso? Da forma mais simples possível, expondo meu conhecimento e entregando valor. Escrevo artigos explicativos sobre investimentos imobiliários, explico detalhes do funcionamento dos consórcios, faço estudos de caso e fico disponível para responder dúvidas de quem ainda não é meu cliente. Levando em conta que não há nenhum custo extra em adquirir os consórcios comigo, de quem você acha que as pessoas comprarão seus planos de consórcio? De mim, que estarei acompanhando e orientando ao longo de todo o processo, ou de um vendedor qualquer que provavelmente se esquecerá do cliente assim que receber o primeiro pagamento? Meus resultados pessoais respondem esta pergunta 🙂

O segundo exemplo é de um amigo que é fotógrafo de casamentos. Ele me pediu conselhos de como se posicionar de maneira a demonstrar valor antes mesmo de conseguir conquistar o cliente. Somente mostrar seu portfólio não é mais suficiente, até porque, como as pessoas chegariam a seu portfólio? O que mais ele poderia oferecer antecipadamente e sem custo?

Ajudei este amigo sugerindo que fizesse um site onde desse dicas de como tirar fotos em viagens. Ou que mostrasse, através de fotos, qual a melhor maquiagem para ficar bem nas fotos de casamento ou em retratos. Ou que sugerisse bons locais para fazer as fotos de antes do casamento, as fotos de namoro do casal ou as fotos de um book com os padrinhos. Todas essas dicas naturalmente ilustradas com suas próprias fotos, já servindo como portfólio profissional. Poderia ainda indicar soluções para problemas comuns que podem acontecer, como locais com pouca luz e suas possíveis soluções, fotografar um pouco mais cedo a céu aberto, por exemplo.

Claro que muitas pessoas poderiam aproveitar suas dicas e as utilizar para bater as próprias fotos, sem o contratar. Só que estas pessoas não o contratariam nem o conheceriam se não tivessem visto tais dicas. A diferença real é que quando tais pessoas que obtiveram um benefício com o conhecimento oferecido gratuitamente precisarem de um fotógrafo de verdade, certamente saberão a quem chamar ou indicar.

E você, com que trabalha? De que maneira se diferencia dos milhares de outros que fazem o mesmo que você faz?

{ 2 comments }

Sabático

Este ano foi bastante movimentado. Ainda não acabou e sei que ainda terei alguns desafios pela frente, como a busca de um novo apartamento para morar nas próximas semanas, já que vendi o apartamento onde estou enquanto escrevo estas linhas, mas o que já passou foi aventura o bastante para uma vida inteira, ao comparar com o esquema casa-trabalho-casa da maioria da população.

No último dia de agosto voltei dos Estados Unidos, onde passei os três meses anteriores em uma espécie de período sabático misturado com viagem de negócios e passeio de férias. Fui ao Silicon Valley para me infiltrar nos eventos de empreendedorismo e conhecer de perto os jogadores do mercado de capital de risco e investimentos em empresas de tecnologia. Fui para Reno visitar um grande amigo brasileiro radicado nos Estados Unidos que ganha dinheiro através de um site em português com publicidade de empresas internacionais. Fui a Vegas encontrar um amigo de Porto Alegre que estava lá a passeio e ficaria apenas uma semana, mas estendi para duas pois os shows estavam ótimos e o clima idem. Conheci o Grand Canyon e fiquei admirado com sua extensão. Descobri novas galerias e novos fotógrafos que abriram meus olhos para um mundo que ainda não conhecia. Atravessei um deserto em carro conversível e com esta mesma liberdade percorri as margens da costa oeste norte-americana, conhecendo um pouco de cada pequena praia ao longo do caminho. Nomes famosos de filmes e revistas se tornaram conhecidos pessoalmente. San Diego, Santa Barbara, San Simeon e o Hearst Castle, Monterey, Carmel e Santa Cruz, Half Moon Bay, todos marcados na retina. Los Angeles, que antes era composta apenas por Santa Monica, Hollywood e Beverly Hills, teve o bairro filipino e Chinatown acrescidas na lista. Museus e monumentos somaram mais alguma coisa, assim como os parques de diversões.

O planejamento desta viagem aos Estados Unidos previa seis meses por lá, mas coisas boas e não tão boas me impediram de realizar o que havia planejado. Do lado bom, uma viagem ao Japão que apareceu sem aviso prévio. Viagem maravilhosa onde fiz muitos amigos. Vinte dias no Japão, coloque isso aí na minha lista deste 2011. Das coisas não tão boas, um problema de saúde na família, coisa já resolvida e melhorando, jogamos com as cartas que a vida vai nos dando.

Agora estou aqui, escrevendo um pouco antes de começar a olhar os apartamentos disponíveis para alugar em Porto Alegre. Tenho que encontrar logo um lugar para morar nos próximos meses ou anos, enquanto planejo o futuro e realizo partes do que foi planejado.

Voltei, estou presente e agindo localmente. Ao mesmo tempo, me sinto como o Frodo Bolseiro no final de O Senhor dos Anéis *Spoiler* (Dá para se ter spoilers de um livro que tem quase 60 anos?) Estou de volta em casa, mas sinto como se tudo houvesse mudado. Será que algum dia poderei sossegar novamente? Acho que não.

Final de outubro parto para Cancun e Miami, mais um prêmio da Rodobens por um ano de esforço e dedicação em ajudar mais pessoas a realizar o sonho dos investimentos imobiliários ou da casa própria. De lá, New York e Manhattan serão a próxima parada. Quanto mais conheço o mundo, mais descubro que ainda há muito para conhecer.

Se minha experiência pessoal permite um conselho, deixo este: viaje. Viaje bastante e por longo tempo. Saia de sua zona de conforto, conheça lugares diferentes do que vocês vive, com pessoas diferentes, culturas diferentes, hábitos diferentes. Vista o calçado destas novas realidades, examinando como é a vida que eles levam e o porquê de suas escolhas serem diferentes das que nós mesmos fazemos. As decisões que tomamos são resultado de nosso conhecimento e de nossas crenças. Somente conhecendo outras crenças e aceitando-as como possíveis verdades diferentes das nossas verdades internalizadas ao longo de anos de vida e convivência com nosso meio é que poderemos compreender que há muitas verdades. E que o tipo de verdade a que nos apegamos pode nos levar a lugares mais altos ou limitar nosso crescimento.

Como você vê o mundo? Com muitos olhos ou através de viseiras estreitas?

{ 11 comments }

Sobre propriedade e necessidades

Estava pensando em vender meu iPad (se alguém se interessar, é um impecável iPad 2 branco, 64Gb 3G com três meses de uso enquanto estava nos USA. R$ 2000 (R$ 600 a menos do que um novo aqui, mais barato se levar em conta os acessórios que vão junto)). O motivo para isso não é que ele seja um dispositivo ruim, muito pelo contrário, o problema é ele ser bom demais. Com esta venda, abrirei mão de uma série de programas que comprei ao longo do tempo em que usei tanto este iPad 2, quanto o iPad original que possuía antes. São programas de edição de texto, programas de música, programas para organizar e manipular fotografias, programas para acesso remoto aos meus servidores. Todos programas simples, relativamente baratos individualmente, acho que o mais caro deve ter custado uns US$ 25, mas de valor final considerável quando vistos em conjunto.

O que me encucou neste processo de decisão foi justamente o fato deste valor investido no conjunto de aplicativos ter passado quase desapercebido. E que depois de analisado, tratei tais valores simplesmente como um custo específico e pontual para realizar determinadas tarefas (em alguns casos nem isso, apenas tinha o programa disponível caso fosse necessário), e não como um custo de aquisição de uma propriedade ou de um bem.

Sendo assim, porque é tão difícil nos livrarmos de certas coisas materiais que já cumpriram suas funções em nossas vidas? Porque é mais difícil abandonar um computador velho, que já não atende mais às nossas necessidades atuais? Porque perder tempo tentando vender tais objetos, quando o valor que podemos extrair deles é menor do que o custo em tempo necessário para compensar esta tentativa de venda? Existe alguém que poderia se beneficiar de uma doação, com esta doação tomando menos tempo do que levaríamos tentando vender? Claro que aqui não estou falando do iPad, que serviu a uma função e períodos específicos, mas ainda possui um alto valor de mercado que compense o tempo tentando vendê-lo.

O mais engraçado é que pensar este tipo de assunto, pensando agora no assunto, me leva a pensar que o problema de tanto acúmulo pode não ser o apego a estes objetos ou a vontade de recuperar pelo menos parte do que custaram originalmente. O problema pode estar mais profundo, escondido dentro de nós.

Por quê, em primeira instância, compramos tais objetos? Realmente precisávamos deles ou foi uma aquisição levada por simples consumismo ou vaidade? Ficando ainda no exemplo do computador velho, será que ele não atende mesmo as necessidades atuais, ou será que criamos novas necessidades para justificar a troca do computador que já possuímos? Estou escrevendo este texto originalmente em um caderno, com uma caneta! Preciso de um computador de última geração para transpor tais linhas rabiscadas para um site na internet?

E assim vai a mente, encadeando questionamentos existenciais em uma manhã de sábado que começou mais cedo que deveria. O motivo? Comi demais na noite anterior (jantar maravilhoso preparado pelo Tiago). Li há algum tempo que não devemos reclamar de ter comido demais. Perdi o link para a referência original a esta idéia. E antes que continue aqui, encadeando uma terceira linha de idéias, concluo com duas perguntas:

Em quê as propriedades digitais são diferentes dos objetos físicos, para abandonarmos com mais facilidade os primeiros? Bônus se você consegue se desapegar de objetos físicos e puder pôr em palavras o processo mental que lhe dá tal liberdade.

Porquê adquirimos tantas coisas que sabemos que não terão mais que um uso eventual e muito limitado? Como evitar a criação de “necessidades” de tais aquisições?

Já tenho meus rabiscos de resposta para ambas as perguntas, mas vou esperar pelos comentários antes de formular melhor tais idéias.

{ 7 comments }

Por que vou vender meu iPad?

Enquanto estava morando nos Estados Unidos ao longo dos últimos meses, me deparei com um texto muito interessante do Peter Bregman em que ele explicava por que tinha devolvido o iPad pouco mais de uma semana depois de o ter comprado. O texto dele, em inglês, pode ser lido em “Por que devolvi meu iPad“.

A seguir descrevo meus motivos para pensar em vender o iPad. Muitos, são exatamente os mesmos que o Peter cita no texto dele, então se você leu o texto original, não estranhe as semelhanças. Sobre a originalidade das idéias, o texto do Peter é de junho deste ano, e eu já havia discutido este assunto com um amigo ainda em dezembro do ano passado, quando efetivamente vendi meu iPad original. O iPad que vou vender agora é um iPad 2, comprado para uso exclusivo enquanto morava nos Estados Unidos e precisava de uma conexão 3G sem plano de dois anos.

O principal motivo que me leva a pensar em vender o iPad 2 e em ter efetivamente vendido o iPad original que possuía não é um problema específico do equipamento. O principal problema é comigo. Eu carrego o iPad para tudo que é lugar. Faço isso dentro de casa e praticamente sempre que saio e imagino que possa haver algum motivo para usa-lo. Ele é pequeno, fino e leve, se estou com uma bolsa ou mochila para levar outras coisas que precise quando saio, ele está lá também.

Eu leio e respondo meus emails. Mesmo o teclado virtual na tela é bom o bastante para responder emails não tão longos. Eu escrevo alguns artigos diretamente nele, entre escrever no iPad e escrever no iPhone, não há comparação. As vezes penso em escrever apenas uma idéia, mas os pensamentos vão fluindo e quando vejo tenho um texto inteiro praticamente pronto. Eu leio as notícias, eu leio sites e blogs, eu tuito e acompanho o que meus amigos fazem no Facebook. E eu mostro o iPad para todo mundo que demonstre interesse. Mostro com orgulho, como se possuí-lo me colocasse em um time de vencedores. Não sei porque. Não o criei, apenas sou mais um dos milhões de usuários.

O problema do iPad é que ele é simplesmente muito bom. Ele é fácil, acessível. Muito fácil e muito acessível. Quando acordo, vou para a sala, sento na minha poltrona confortável e fico recebendo os raios de sol da manhã, para acordar bem. Enquanto isso, vejo as primeiras notícias do dia, o que aconteceu no twitter durante a noite, as últimas atualizações dos meus amigos no Facebook, suas fotos, o que leram e indicaram a leitura, centenas de novos artigos nos blogs que acompanho os RSS, meus emails (só leitura, para responder depois). E quando vejo, são 11h da manhã e ainda não fiz nada de produtivo, apenas li, reli, bisbilhotei, mas não escrevi, não respondi emails, não produzi.

Quando penso em fazer algo mais produtivo, sempre tem alguma coisa nova aparecendo em um dos diversos aplicativos do iPad. E quando não tem nada em nenhum deles, tem o processo de carregar cada um novamente, em rotação, para ver se alguma novidade surge de repente. E tem os vídeos, não vamos esquecer dos vídeos. Sejam os que coloquei no iPad para ver depois (e olha a oportunidade justamente neste momento), seja através do Youtube.

E o problema não termina na manhã. Alguma hora eu largo o iPad e o dia passa a ser produtivo. Quando entro neste fluxo de produção, é uma tarefa atrás da outra. Quando saio de casa e estou errante, emails são respondidos na fila do banco, cotações são verificadas enquanto aguardo minha consulta no oculista, um audiolivro é escutado ou alguns capítulos de um livro lidos enquanto tomo um café na padaria próxima do escritório. À noite, sempre dá para mais uma espiadinha no twitter antes de dormir, ou assistir um episódio de algum seriado já na cama. E quando vejo, lá se vão 2h da madrugada. Depois de algumas horas, estou entretido e cansado, mas estou melhor? Não seria melhor dormir sete horas em vez de cinco?

O fantástico do iPad é que ele é um dispositivo para toda hora, todo lugar. No ônibus, aguardando o elevador, no carro quando não estamos dirigindo ou aguardando o sinal abrir. Todo momento é uma oportunidade de usar o iPad. O iPhone pode fazer mais ou menos o mesmo, mas quem deseja assistir um filme na cama na telinha de um iPhone?

Então porque isto é um problema? Parece que sou superprodutivo. Cada minuto extra estou ou produzindo, ou consumindo informações. E aqui entra a parte que o Peter trouxe a tona em seu artigo e que não tinha me dado conta antes. Há uma coisa muito importante que estava perdendo com o uso do iPad. Algo crítico e valiosíssimo.

Tédio.

Daqui em diante, basicamente traduzo o texto do Peter Bregman, apesar de só traduzir o que funciona da mesma maneira para mim, usando meus exemplos pessoais.

Ficar entediado é algo precioso, um estado mental que devemos perseguir. Uma vez que estejamos entediados, nossa mente começa a viajar, procurando por algo excitante, algo interessante para focar. E é aí que a criatividade aparece. Minhas melhores idéias vem quando estou sem fazer nada. Quando estou caminhando pela rua, mas não estou ouvindo música no meu iPod. Quando estou esperando por alguém. Quando estou deitado na cama aguardando o sono chegar. Estes momentos “perdidos”, momentos sem nada específico sendo feito, são vitais.

Eles são os momentos em que nós, inconscientemente, organizamos nossas mentes, fazemos sentido de nossas vidas e conectamos os pontos. Estes são os momentos em que falamos com nós mesmos. E nos escutamos.

Perder estes momentos, substituí-los por tarefas e eficiência, é um erro. O pior é que não apenas os perdemos. Nós ativamente os jogamos fora.

“Este não é um problema do iPad”, os amigos dizem. “É um problema contigo. Simplesmente não o use tanto.”

É isso. O problema é comigo mesmo. Eu não consigo não usá-lo se ele está alí, disponível. E infelizmente, ele está sempre ali. Então eu o vendo. Problema resolvido.

O bom de ter passado por isso é que o iPad me ensinou o valor do tédio. Claro que já tinha lido isso e me identificado com muitas das idéias do livro “O Ócio Criativo”, do Domenico de Masi. Por mais que a leitura tenha sido boa, a experiência prática sempre nos marca mais forte. E agora estou mais consciente em usar estes momentos extras, o tempo entre as coisas, o tempo da caminhada, do ônibus e da espera, para deixar minha mente viajar. Viajar e criar.

{ 10 comments }